“O rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco causou uma enxurrada de lama que inundou várias casas no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais, na tarde desta quinta-feira (5)”. (G1)

Acompanhamos o gerenciamento de crise nas redes sociais da Samarco Mineração. No LinkedIn, a AViV Comunicacão compartilhou, em 11/11:

Gestão de crises no século XXI: Samarco substitui todo seu site por uma única página de comunicado – http://www.samarco.com.br/ – e privilegia as redes sociais na comunicação sobre a tragédia em Mariana https://lnkd.in/eaGfyFJ

Vamos a alguns detalhes dessa crise, observada pelo mundo, por meio da internet e redes sociais: Site O site www.samarco.com.br vai para um hotsite especial, com todos os comunicados, vídeos, palavra do presidente e contato da imprensa (atualização em 11/11). Home:

samarco site home2
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
samarco site home3
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Link Comunicados:
samarcos comunicados site
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Link Palavra do Presidente:
samarco-palavra do presidente
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Link Institucional (site oficial http://www1.samarco.com/):
site institucional samarco1
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
site institucional samarco2
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Fanpage da Samarco Mineração
facebook samarco11112015
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail

Fanpage da Samarco Mineração tinha 5.781 fãs, em 10/11/2015

5/11 (quinta)
1 – Comunicado oficial 18h09 – http://bit.ly/comunicadosamarco
2 – Vídeo de Ricardo Vescovi (presidente) 22h – http://bit.ly/videopresidente
6/11 (sexta)

 

1 – Atualização 9h27Ainda sem informação sobre o número de desaparecidos, o que são as barragens, rejeito, esforços http://bit.ly/samarco0611-1

 

2 – Atualização 14h32 – No momento, 70 famílias alocadas em hoteis e pousadas da região, helicóptero, kit de emergência, água – http://bit.ly/samarco0611-2

 

3 – Atualização 17h44 – Aumento para 118 famílias alocadas (449 pessoas) ·- http://bit.ly/samarco0611-3

 

4 -Atualização 20h46 – Aumento para 136 famílias (569 pessoas)http://bit.ly/samarco0611-4

 

8/11 (domingo)
1 -Atualização 0h26Repercussão no Espírito Santo, mancha no Rio Doce, unidade Germano paralisada, unidade de Ubu (Anchieta/Espírito Santo) ao final do estoque serão paralisados – http://bit.ly/samarco0811-1

 

2 -Atualização 13h06588 pessoas alocadas e endereço das doaçõeshttp://bit.ly/samarco0811-2

 

3 -Atualização 19h35 – Plano de Ações Humanitárias, 300 profissionais para atendimento à comunidade http://bit.ly/samarco0811-03

 

9/11 (segunda)
1 -Atualização 21h16 Avanço da mancha Rio Doce. Material é inerte e não tóxico – http://bit.ly/samarco0911-1
2 -Atualização 21h50 – Continuamos empenhados na assistência às pessoas impactadas pelo acidente das barragens. No total são 612 pessoas – representando 162 famílias – alojadas pela empresa em hotéis e pousadas
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
da região de Mariana – http://bit.ly/samarco0911-2

 

10/11 (terça)
1 – Atualização 13h35 – Ações humanitárias: O número de atendidos pela empresa foi atualizado na manhã desta terça-feira. Até o momento, 631 pessoas, ou 183 famílias, http://bit.ly/samarco1011-1

 

2 – Atualização 15h29 – Atendimento às comunidades: Temos oferecido todo o apoio necessário às comunidades, disponibilizando água, cestas básicas, itens de higiene pessoal, material e equipamentos de limpeza, caminhões-pipa e ração animal – http://bit.ly/samarco-1011-22

 

3 – Atualização 16h32 – Plano de resposta de emergência: Conforme prevê o plano de resposta de emergência da barragem solicitado pela defesa civil, a Samarco iniciou ontem a comunicação presencial com as comunidades. Informamos que, de forma preventiva, foram mobilizadas caminhonetes com sirene, disponíveis 24 horas por dia, para alertar sobre qualquer necessidade. Foram avisadas as comunidades de Camargos, Pedras, Paracatu de Baixo, Paracatu de Cima, em Mariana e a comunidade de Gesteira, no município de Barra Longa – http://bit.ly/samarco1011-3

  11/11 (quarta) 1 – Atualização – Intervenção preventiva: Entre as medidas adicionais de monitoramento e segurança que a Samarco vem tomando, a empresa inicia nesta quarta-feira uma mobilização para realizar intervenções nas estruturas remanescentes das áreas de barragens – http://bit.ly/samarco1111-1 2 – Atualização – Estão circulando alguns boatos, especialmente nas redes sociais, a respeito da instabilidade da Barragem de Germano, em Mariana (MG). jack outlet A Samarco reitera que todos os seus mecanismos de controle não apontam qualquer indício de abalo na estrutura – http://bit.ly/samarco1111-2 3 – Atualização – Nota oficial do Governo de Minas Gerais: Nesta quarta-feira, o Governo do Estado de Minas Gerais divulgou nota oficial sobre a atual situação da barragem Germano da Samarco. O comunicado esclarece à população que não houve rompimento da estrutura e que haverá uma intervenção no dique da barragem. Por questões de segurança, será realizado um replanejamento das buscas e, possivelmente, algumas famílias serão realocadas. Leia a nota oficial na íntegra no site – http://bit.ly/samarco1111-3 4 – Atualização – Comunicado conjunto dos CEO’s Vale e BHP Biliton: Em conjunto com Peter Poppinga, diretor-executivo de Ferrosos da Vale, e Jimmy Wilson, presidente de Minério de Ferro da BHP Billiton, estivemos esta manhã no local da mina da Samarco com o seu diretor-presidente, Ricardo Vescovi, e com líderes comunitários da região. Nossa prioridade no momento é entender a extensão das consequências do rompimento das barragens e como podemos providenciar apoio adicional – http://bit.ly/samarco1111-4 5 – Atualização – Coletiva de imprensa com Andrew Mackenzie, Chief Executive Officer da BHP Billiton, Murilo Ferreira, diretor-presidente da Vale, e Ricardo Vescovi, diretor-presidente da Samarco – http://bit.ly/samarco1111-5. Vídeo no YouTube: http://bit.ly/videocoletivasamarco. napapijri women’s ski doo jacket [youtube]https://www.youtube.com/watch?v=QOw3IBR4sAo[/youtube] Balanço e mais informações – Hotsite especial sobre a crise e redes sociais sempre atualizados. – Vídeo do presidente no mesmo dia do acidente, em 5/11 – Quase 1 semana para a coletiva de imprensa. Repórter da Reuters: “Por que demorou para fazer coletiva?”. Resposta em 37’46” do vídeo de 11/11 – Assessoria de imprensa é a RP1 Comunicação, em São Paulo – Muitos ataques nas redes sociais e abaixo a resposta padrão Resposta padrão para críticas Samarco Mineração No momento, não é possível confirmar as causas do ocorrido. A barragem foi fiscalizada em julho de 2015 e encontrava-se em condições de segurança. Nossa maior preocupação agora é apoiar as autoridades de todas as formas possíveis e dar o suporte necessário às vítimas. A Samarco abriu um canal para o público visando esclarecer, de forma transparente, todos os detalhes sobre o caso. Acesse: http://bit.ly/Samarco. De olho nas redes sociais de outras envolvidas

Facebook da Prefeitura de Mariana e da Vale também publicam as notícias da crise.
prefeitura de mariana-samarco-crise midias sociais
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Opinião de Carolina Terra, professora de mídias sociais Muitas famílias ficaram desabrigadas, há mortes e muitas consequências negativas decorrentes da situação. A empresa, porém, não tem se escondido ou se eximido da culpa. Eis algumas de suas ações que servem como referência em momentos de crise: – Colocaram seu principal executivo para dar explicações em todos os meios (coletiva de imprensa, entrevistas e nas redes sociais) – Têm usado as redes sociais como disseminadoras de informação e como meios de divulgação de seus boletins. Até nomearam os boletins como “Samarco Informa”. O pessoal de comunicação tem respondido às críticas na rede, veja aqui um exemplo. women Jumpers and Sweatshirts E, olha, que eles têm sido chamados de assassinos e outras coisas mais. Não esmoreceram. Seguem na linha de informar. Costumo dizer em aula que tudo o que acontece com uma organização, marca ou mesmo com a gente gera um rastro digital na rede. O rastro que a Samarco está deixando, a meu ver, aqui, pelo menos no que tange à gestão da crise, é de tentar solucionar, informar, estar presente e não de ausência ou de negação. Opinião de Tatiana Molini, colunista do site Administradores Os dias estão se passando, a lama se espalha cada vez mais, mais bichos estão morrendo pelo caminho, mais água se contaminando e o desastre está tomando proporções que estão fugindo do controle da empresa e isso parece estar afetando o plano de comunicação para gerenciamento de crise. A mineradora ainda não assumiu a culpa, não divulgou causas ou motivos que possam ter levado ao rompimento das duas barragens, tem impedido jornalistas mais ácidos de participarem de suas coletivas, as indagações nas redes sociais estão cada vez mais elaboradas e ficando sem respostas. Afinal o plano de ação emergencial não inclui analisar a lama para determinar se ela oferece algum risco à saúde, ou seja, nem Samarco, nem governos municipal, estadual ou federal estão providenciando tal análise; não inclui ouvir a população atingida e desabrigada, não inclui admitir falhas e apresentar as razões. Muito pelo contrário, colocando os pés pelas mãos lançaram a infeliz campanha #SomosTodosSamarco com o intuito de melhorar a imagem da empresa, no entanto comparam o lixo jogado nas ruas com a tragédia e se orgulham da quantidade de empregos que a empresa gera. Conteúdos totalmente inapropriados para o momento. A página da campanha no Facebook é apresentada como não oficial, mas em diversas postagens e em sua descrição, traz um tom que parece contradizer essa informação. 25/11: Crise piora nas redes sociais Em 25/11, cerca de 20 dias depois da tragédia, e ainda sem respostas para todas as questões, o vídeo “Comunicado aos empregados do Diretor-presidente da Samarco”, foi publicado no YouTube da Samarco Mineração. Ricardo Vescovi, presidente da Samarco, pediu “equilíbrio” diante das críticas da sociedade e imprensa à Samarco. Ele afirmou que o desastre é “algo sem precedentes na mineração mundial”. Cobertura da Brasil de Fato Diversas denúncias ocorrem pelo site Brasil de Fato. Acompanhem:
brasil de fato samarco
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
  • Gmail
Matérias na imprensa 5/11 Barragens se rompem e enxurrada de lama destrói distrito de Mariana 10/11 Revista IstoÉ: Ministério Público de Minas Gerais afirma que o rompimento da barragem em Mariana foi resultado de negligência. Onda de lama segue deixando um rastro de destruição no Rio Doce A tragédia em Mariana pode afetar o mercado global do minério? Samarco anuncia que 5 mil funcionários no ES e MG podem ser demitidos em 2016 11/11 Dona da Samarco, BHP promete reconstruir casas para atingido Falhas no Plano de Emergência Saindo um pouco do aspecto da internet e redes sociais, o que buscamos agora é justiça, ações mais eficazes para conter novos rompimentos, apoio a todos os moradores que perderam tudo, deter o avanço do desastre ambiental. E chama a atenção a falha grave da empresa: o Plano de Emergência na gaveta. “Samarco contratou plano de emergência contra desastres, mas nunca pôs em prática”. Essa é a matéria de 24/11, do Estado de Minas. Com isso, entendemos melhor como uma catástrofe é construída. A adoção de um plano de emergência, há seis anos, teria salvado a vida de trabalhadores da mineradora Samarco e moradores do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central, além de evitado a destruição do meio ambiente e os graves impactos na economia mineira e do Espírito Santo. Naquele ano, a empresa RTI (Rescue Training International), com sede em Bragança Paulista (SP), contratada pela Samarco, elaborou um plano estratégico vasto, prevendo a proteção aos funcionários e comunidades, no caso de rompimento de uma barragem, conforme ocorreu com a do Fundão, em 5 de novembro. “O plano de ação nunca foi posto em prática”, lamenta o diretor da RTI, Randal Fonseca. Pós-graduação em Comunicação Corporativa, Marketing e Mídias Sociais da Unitau Kelly Nagaoka, professora da disciplina Assessoria de Imprensa, Imagem e Reputação nas Mídias Sociais, da pós-graduação em Comunicação Corporativa, Marketing e Mídias Sociais, da Universidade de Taubaté (Unitau), com a ajuda de seus alunos, deixa registrado um pouco do gerenciamento de crise nas redes sociais de uma das piores tragédias de 2015.

Pin It on Pinterest

Compartilhar